“2018 é o ano contra o assédio sexual”, afirma Maria Leticia

Jornal do Ônibus 

Uma das respostas que busco há mais de 20 anos como médica legista é o tamanho da violência contra a mulher. Diariamente mulheres são desrespeitadas, agredidas e mortas, uma realidade inaceitável, que é difícil de mensurar.

O silêncio dessas mulheres é um obstáculo que só será rompido com esforço para garantir definitivamente respeito e igualdade. Nessa semana, o Globo de Ouro foi marcado por protestos, com a maioria das atrizes vestidas de preto em solidariedade ao movimento contra o assédio, Time's Up.  E a palavra-chave do momento é consenso.

O corpo da mulher é direito somente dela e a ela cabe viver a sexualidade como bem entender. A mulher tem direito de andar e se vestir da forma como se sentir melhor. Isso é ser mulher de verdade, independente de se encaixar em algum padrão. 2018 é o ano contra o assédio sexual.

 

Notícias relacionadas

De uma pesquisa à lei sancionada: como conseguimos mobilizar a sociedade contra o assédio nos ônibus de Curitiba
Contra o assédio nos bares: a política como instrumento real de mudança
Dia internacional da conscientização contra HPV marca importância da vacinação para prevenção