Câmara de Curitiba aprova projeto de conscientização sobre epilepsia no mercado de trabalho

Falta de informação sobre a doença gera dificuldades de empregabilidade.

Quem tem epilepsia não enfrenta só a concorrência na hora de conseguir um emprego. A falta de informação sobre a doença gera muito preconceito e diminui a chance de contratação.

Para combater essa realidade, foi aprovado nesta quarta-feira (10), na Câmara Municipal de Curitiba, um Projeto de Lei que institui a realização de campanhas educativas sobre epilepsia nas empresas. O projeto tem autoria do nosso Mandato e foi elaborado com o apoio da sociedade civil, via colaboração de familiares e pacientes na formatação do texto final.  

“O acesso ao mercado de trabalho altamente competitivo coloca essas pessoas em uma situação muito desvantajosa, mesmo quando elas estão profissionalmente capacitadas para o desempenho das atividades. A realização de campanha municipal informativa para empresas, sobre epilepsia, é um passo importante no combate à estigmatização das pessoas que têm essa condição de saúde”, defende a vereadora.

A professora de artes e especialista em Educação Especial, Maria Izabel, tem epilepsia e confirma a resistência das empresas diante do diagnóstico. “Quando eu tive uma crise, eles me mandaram embora. Queria que as empresas nos aceitassem sem esse preconceito, para que a gente consiga trabalhar”, revela.

Situações como esta mostram como ainda há muito preconceito e desinformação sobre o tema. Uma das metas das campanhas nas empresas é levar informação sobre o que fazer quando alguém tem um episódio compulsivo em função da epilepsia. A ideia também é mostrar, para setores de recursos humanos de empresas e equipes de trabalho, que a doença não é incapacitante e que deve ser compreendida da mesma forma que outros tipos de enfermidades, como diabetes ou pressão alta.

Notícias relacionadas

Educação sobre Epilepsia nas empresas: agora é lei!
Maria Letícia participa da Caminhada da Epilepsia no Jardim Botânico
Maria Letícia promove audiência pública “Conscientização da Epilepsia”