Direitos da Mulher: orçamento e vontade política

A (re)construção da realidade depende dos resultados da interação e  dialogo entre o Estado e a sociedade civil. A pressão e a mobilização social influenciam os espaços de decisão para que sejam ampliados e efetivados os direitos de cidadania.

Portanto, as lutas sociais passam a ser reconhecidos institucionalmente. Como exemplo as lutas das mulheres, na década de 80 foram criados o Conselho  Estadual da Condição Feminina, a Delegacia de Política e Defesa da Mulher, em 2003 a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, em 2006 a Lei Maria da Penha, em 2015 a Lei do Feminicídio.

Cabe um questionamento: As mulheres têm conhecimento desses direitos? Elas deveriam ter conhecimento e acesso! Mas para isso são necessários orçamento e vontade política. Na função de mediadora social e institucional pela implementação de políticas para mulheres, luto diariamente pela promoção da autonomia das curitibanas.

Notícias relacionadas

De uma pesquisa à lei sancionada: como conseguimos mobilizar a sociedade contra o assédio nos ônibus de Curitiba
Contra o assédio nos bares: a política como instrumento real de mudança
Como tirar uma procuradoria do papel e construir uma rede de apoio nos municípios?