Espaço para mulheres em biarticulados volta a tramitar na Câmara de Curitiba

O espaço preferencial para mulheres nos biarticulados de Curitiba retorna para discussão na Câmara Municipal de Curitiba em 2019. O projeto de lei voltou a tramitar a pedido da autora, vereadora Maria Leticia Fagundes, que discordou do parecer pelo arquivamento emitido pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e levou o assunto a plenário (069.00008.2018), que acatou a tramitação do projeto (005.00354.2017).
 

A justificativa da reserva do espaço nos biarticulados para os usuários do transporte coletivo é que esses são os ônibus em que ocorre a maior parte dos casos de assédio. O espaço seria apenas preferencial e teria como custo ao Poder Executivo apenas a adesivação dos vagões.

“Não há a intenção de criar um espaço exclusivo. O espaço preferencial não é proibitivo aos homens, mas poderia facilitar que um grupo de mulheres se situasse mais em uma parte do ônibus”, argumentou a autora do projeto de lei, Maria Leticia Fagundes (PV). “Não é uma ideia ruim, visto que São Paulo já tem um metrô de vagão exclusivo, inclusive outras grandes cidades do mundo também.”

O vagão preferencial para mulheres em biarticulados havia sido arquivado, na CCJ, por indicação da vereadora Julieta Reis (DEM). Ela acolheu a opinião da Procuradoria de Direito da Mobilidade da Urbs, que apontou a “existência de diversos fatores técnicos que inviabilizam a implementação [da proposta]”, assim como destacou a ausência da fonte de custeio da medida.
 

Durante o ano de 2018, foram protocolados oito requerimentos na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) em que vereadores pediram ao plenário a revisão de decisões da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Essa é uma situação extraordinária dentro da CMC e serve para balancear os poderes da Comissão de Constituição e Justiça. Composta por 9 dos 38 vereadores, a CCJ é a única comissão temática habilitada a arquivar projetos protocolados no Legislativo. Só que o regramento da Câmara faculta ao autor da proposição arquivada que ele possa apelar ao plenário pelo retorno da matéria à tramitação – contrariando a decisão original.

Para submeter o parecer negativo da CCJ a novo escrutínio – agora pelo plenário – o autor da proposição precisa do apoio por escrito de 13 pelo menos parlamentares. Obtido isso, a submissão é colocada para análise na segunda parte da ordem do dia e novamente votada. A aprovação depende de maioria simples.

 

Texto:José Lazaro Jr.

Revisão: Fernanda Foggiato

Edição: Assessoria Maria Leticia Fagundes 

Fotos: CMC

Galeria

Notícias relacionadas

Vereadora propõe espaço preferencial para mulheres em ônibus de Curitiba
Vereadora Maria Leticia propõe espaço preferencial para mulheres nos biarticulados
Vereadora Maria Leticia propõe espaço preferencial para mulheres nos biarticulados