Lixo, Incineração ou Problema Social

De acordo com os representantes dos catadores de recicláveis no município de Curitiba, essa questão de incineração atropela várias prioridades do Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Os resíduos coletados precisam sofrer processamento adequado, o objetivo é separar mais vezes, para que somente o material que não seja reciclável seja incinerado. O projeto proposto pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente pode gerar muitos transtornos aos catadores de recicláveis, além de afetar diretamente o meio ambiente.

O instituto Lixo e Cidadania – Ilix já apresentou projetos ao executivo municipal para reutilização dos resíduos ainda com capacidade de separação para que sejam reutilizados. Em Curitiba há cerca de 40 associações que atualmente recebem caminhões com 200 quilos de materiais, enquanto a capacidade é de 3 toneladas. Se dificultarmos a captação, isto repercute diretamente nos recursos financeiros dos catadores, atropelando políticas e processos, que antes eram realizados nestas associações.

Se a incineração ocorrer sem o processamento adequado, questiona-se se há filtro que possa separar adequadamente as micro partículas que são dispostas no meio ambiente, ocasionando transtornos não somente ambientais como também a saúde da população. A gestão compartilhada dos resíduos e materiais recicláveis seria uma boa opção ao invés da incineração, adequando tecnologias as associações, mobilizando e intensificando o trabalho dos catadores em Curitiba. O que certamente evitará um enorme transtorno social criado pela queda da produtividade das associações.

Notícias relacionadas

Para proteger trabalho de catadores de recicláveis, vereadoras protocolam novo projeto de lei
Vereadoras querem proibir incineração do lixo em Curitiba
Curitiba contra a incineração do lixo