Maria Leticia explica demora do IML no recolhimento de corpos

“Estamos em extinção!”, dispara Maria Leticia Fagundes sobre baixo número de funcionários do Instituto Médico Legal do Paraná (IML-PR). O alerta feito frequentemente pela médica legista foi reforçado, ontem (17), em vídeo publicado, após comoção coletiva sobre a demora de 14 horas no recolhimento do corpo de um jovem assassinado em via pública, na Região Metropolitana de Curitiba.

“Eu também estou indignada e vejo esse tipo de situação frequentemente; quando fui presidente da Associação de Médicos Legistas do Paraná eu mesma fiz uma queixa tratando dessa questão: os corpos que demoram a ser buscados pelo IML”, afirma Maria Leticia.

Maria Leticia esclareceu que a demora ocorre, pois a Polícia Científica, da qual faz parte o IML, opera com efetivo 81% menor do que precisaria. De acordo com ela seriam necessários 1.478 funcionários, porém são 281. Sobre os médicos legistas, ela também registrou o déficit. ”Precisaríamos de 301, mas somos em 58 médicos legistas”, declarou Maria Leticia, que acrescentou ainda a necessidade de 151 Auxiliares de Necropsia, sendo que são 31 trabalhando atualmente.

 “Trabalhamos à luz da Constituição Federal, seguindo o regulamento do órgão, mas precisamos de verba que vem do Estado. Pense sobre isso, com quem você deve ter a indignação”, conclui Maria Leticia.

 

Notícias relacionadas

Maria Leticia fala sobre IML no Jornal do Ônibus
Maria Leticia participa de Fórum de Perícias Médicas Trabalhistas
Vereadora Maria Leticia visita nova sede do IML-PR em Curitiba