Maria Leticia fala sobre violência contra mulheres e crianças no Hospital Nossa Sra das Graças

Profissionais da saúde do Hospital Nossa Senhora das Graças HNSG assistiram, nesta terça-feira (22), a palestra da vereadora Maria Leticia Fagundes sobre violência contra mulheres e crianças. A participação da médica legista do Instituto Médico Legal do Paraná IML-PR e presidente da Comissão de Saúde, Bem Estar Social e Esporte da Câmara Municipal de Curitiba faz parte da Semana da Enfermagem do Hospital, que ocorre do dia 21 a 25 de maio. Ela foi convidada pelas organizadoras do evento, Janaina de Siqueira, Keliane Correia Pereira, Graziela Nogueira Matos.

Maria Leticia se apresentou e relatou um pouco da experiência como médica no atendimento das vítimas de violência. Ela apresentou o conceito de lesão corporal, que é a alteração física no corpo da vítima, a qual resulta da violência. Nesse sentido, ela acrescentou que na positivação do diagnóstico como médica legista precisa obedecer o artigo 129 do Código Penal, no qual a violência psicológica e patrimonial não se enquadram.

Dessa forma, a vereadora destacou a Lei Maria da Penha, que foi “um marco” no que tange à legislação de proteção da mulher. ”Protege a vítima de todos os tipos de violência e pune o agressor, temos que acreditar que, de alguma forma, o sistema público vai agir", disse Maria Leticia ao citar a importância do registro do Boletim de Ocorrência e da realização de exames complementares.

A vereadora apresentou casos atendidos no IML-PR incluindo o grupo das crianças que é “uma grande preocupação”. Ela alertou especialmente a violência sexual sofrida pelas crianças e salientou que na maioria dos casos o agressor é da família ou próximo.

“A criança fica a maior parte do tempo em casa e outra parte na escola e o abusador geralmente é alguém da família. Muitas vezes não há penetração, nem material biológico, portanto é mais difícil comprovar o abuso”, acrescentou. Ela citou aprovação da lei 15.025, de sua autoria, conhecida como “Educação que Protege”- que determina prioridade na matrícula escolar para crianças em situação de violência doméstica. A regra vale em creches e escolas municipais – inclusive as conveniadas -, para crianças agredidas ou que sejam filhas de pessoas que sofreram violência doméstica de natureza física ou sexual.

Galeria

Notícias relacionadas

Vereadora Maria Leticia fala sobre violência doméstica na Paróquia São José Operário
Maria Letícia ministra palestra sobre “Violência contra a Mulher” na PUCPR
Vereadora Maria Leticia fala sobre violência contra mulheres e crianças na Faculdade Pequeno Príncipe