Maria Leticia participa de inauguração do Museu da História da Medicina do Paraná

Associação Médica do Paraná 

O Paraná ganhou, nesta segunda-feira (28), o primeiro Museu da História da Medicina. O espaço concretiza um antigo sonho da Associação Médica do Paraná, de tornar acessível à sociedade o valioso acervo que coletou e catalogou durante as últimas cinco décadas, agora exposto na Santa Casa de Curitiba, o primeiro hospital da cidade, inaugurado em 1880 por Dom Pedro II. Parceiras no projeto, as duas instituições vêm trabalhando há mais de um ano na seleção dos documentos, peças, instrumentais e equipamentos que compõem a exposição.

A abertura oficial do museu foi feita pelo presidente da AMP, Dr. Nerlan Carvalho, e por Dom João Bosco Óliver de Faria, provedor da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba e arcebispo emérito de Diamantina (MG), seguida de uma benção de Dom Pedro Fedalto, arcebispo emérito de Curitiba, que fez menção ao novo espaço e também a todos aqueles que passaram pelo hospital ao longo da história.

O Museu da História da Medicina do Paraná é o primeiro do estado dedicado a contar a história desta profissão que marcou a trajetória da nossa sociedade desde o século XIX. O acervo completo é formado por mais de 35 mil peças. Um centro cirúrgico e um “pulmão de aço” de quase meia tonelada, inventado nos Estados Unidos em 1928 e utilizado em pacientes com insuficiência respiratória causada pela poliomielite, estão entre elas.

Para o Dr. Nerlan Carvalho, a história da medicina do Paraná estará vivenciada na mostra que agora torna-se acessível à sociedade. “Assim como a moral nos ensina a praticar o bem e a estética nos ensina a apreciar o belo, a história nos ensina a viver”, afirmou. O presidente da AMP lembrou que o Museu da História da Medicina do Paraná foi criado há 25 anos, funcionando em uma sala da associação, e destacou as pessoas e as várias gestões da entidade que atuaram no projeto, em especial o Dr. Ehrenfried Othmar Wittig, que foi seu idealizador e responsável, desde 1970, pela captação e organização de todo o acervo agora exposto na Santa Casa.

O provedor da Santa Casa, Dom João Bosco Óliver de Faria, salientou a importância do resgate da memória médica e cumprimentou as entidades parceiras “por esse grande feito, que resgata e traz à luz dos nossos olhos toda essa beleza que ficou arquivada no curso da história”. O arcebispo afirmou que as novas gerações são muito voltadas para o futuro e existe sempre o risco de se perder a referência com aqueles que construíram o passado e projetaram o presente. “E neste museu estará todo esse caminhar de pioneiros, que trouxeram o que havia de melhor para a saúde e o bem-estar do povo de Curitiba e do Paraná”, concluiu.

Homenagem ao idealizador

Como homenagem ao inestimável trabalho realizado, Dr. Wittig, que é diretor de Museu da AMP, empresta seu nome a uma das salas do local. “Com o espaço hoje aberto, as novas gerações de médicos e demais profissionais da saúde poderão entender o quanto e como os colegas de antigamente evoluíram para que eles tivessem as ferramentas e oportunidades que têm atualmente”, avaliou.

Prédio histórico

Sede do Museu, o prédio histórico da Santa Casa foi o primeiro e, por muitos anos, o único hospital de Curitiba, além de ter funcionado como hospital-escola para a Universidade Federal do Paraná até a construção do Hospital de Clínicas, na década de 60. O prédio também abriga uma área preservada pelo patrimônio histórico e que recentemente foi restaurada, mantendo fielmente a estrutura que tinha na época de sua fundação. Entre esses espaços, que poderão ser conhecidos pelos visitantes, estão a farmácia, com armários e frascos de medicamentos ainda lacrados, a capela, o sótão e o primeiro elevador da cidade.

Os visitantes conhecerão, ainda, um pouco mais da história da cidade e de figuras ilustres como a dos médicos José Cândido da Silva Murici, Victor Ferreira do Amaral, Nilo Cairo e do farmacêutico André de Barros, que hoje dão nome a importantes vias de Curitiba.

Presenças

A solenidade contou a presença do senador eleito Flávio Arns; de Vinicius Filipak, diretor de Política de Urgência e Emergência do Paraná, representando o secretário de Estado da Saúde, Carlos Alberto Preto; Tania Maria dos Santos Pires, superintendente de Gestão da Secretaria Municipal da Saúde, que representou a secretária da pasta, Marcia Huçulak; Beatriz Battistela Nadas, superintendente executiva da SMS; Dr. José Fernando Macedo, tesoureiro da AMP; Dr. João Carlos Baracho, secretário-geral; Dr. Luiz Ernesto Pujol, secretário-geral do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR); Dr. Avelino Hass, presidente da Academia Paranaense de Medicina; Alexandre Gustavo Bley, diretor de Mercado e Comunicação da Unimed Paraná; monsenhor Antonio Robson Gonçalves, membro titular do Conselho de Administração da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba; Gláucio Geara, presidente da Associação Comercial do Paraná; a deputada federal Leandre Dal Ponte, a vereadora Maria Letícia Fagundes e o ex-ministro da Saúde Alceni Guerra, entre outros convidados.

Visitações

As visitações começam nesta terça-feira, dia 29, e o funcionamento será de segunda a sábado, das 10h às 19h. Para visitas em grupos é necessário agendamento prévio pelo telefone (41) 3320-3502 ou por e-mail:  museu@santacasacuritiba.com.br.

Notícias relacionadas

Maria Leticia participa de inauguração do Museu da História da Medicina do Paraná
Maria Leticia participa de Fórum de Perícias Médicas Trabalhistas
Maria Letícia indica a Médica Patologista Dra Mara Segalla para receber o título de cidadã honorária de Curitiba