Maria Leticia quer crematório municipal e divulgação da lei da tanatopraxia

Quando se fala em morte o negativismo ganha espaço e muita gente prefere evitar a conversa. Mas se depender da vereadora Maria Leticia Fagundes o assunto será debatido intensamente em Curitiba. Ela é autora do projeto de lei que cria o crematório municipal (005.00049.2017) e foi sobre isso a reunião nesta segunda-feira (05) com a Secretária Municipal de Meio Ambiente – SMMA, Marilza Dias. “O benefício é do cidadão”, afirmou a vereadora.

Ela também alinhou com a secretária formas para divulgação da lei 15.161/2018, conhecida como – Tanato, não obrigada – , a qual dispõe sobre o serviço funerário de Curitiba e determina as situações em que a tanatopraxia (preparação do corpo) deve ser realizada.

Maria Leticia alertou também para a “criminosa” prática das funerárias que “induzem” os cidadãos a contratarem o serviço sob pena de serem responsabilizados por danos ao meio ambiente, possíveis contaminações às pessoas e ainda vazamento de substâncias do corpo sem vida.

“Por experiência própria, fui induzida a assinar os termos de responsabilidade e não contratei o serviço porque tenho conhecimento de quando o mesmo é realmente necessário”, destacou Maria Leticia, que é médica legista.

A secretária sugeriu que seja combinada uma série de ações para divulgação da lei. “Vamos fazer um banner para uma divulgação direta, notícias veiculadas pela Comunicação Social institucional para levar esclarecimento à população e fiscalização para verificar a situação de coerção à pagar por serviços desnecessários”, concluiu Marilza.

Também participou da reunião, o diretor do Departamento de Serviços Especiais da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Luis Augusto Dissenha.

Galeria

Notícias relacionadas

Vereadora Maria Leticia encaminha projetos de lei na Sec. do Meio Ambiente
Vereadora Maria Leticia questiona funerárias cadastradas em Curitiba
Vereadora Maria Leticia apresenta Manual do Biomédico a Secretária de Saúde