Maria Leticia recebe relatório oficial sobre Diversidade Sexual e LGBTFobias de Curitiba

A vereadora Maria Leticia Fagundes recebeu do assessor de Políticas de Diversidade Sexual, Allan Johan, o primeiro relatório oficial sobre Diversidade Sexual e LGBTFobias. O documento foi entregue na quarta-feira (16/5), véspera do Dia Internacional Contra a Homofobia, à Câmara Municipal.

Maria Leticia, que é presidente da Comissão de Saúde, Bem Estar Social e Esporte da Câmara Municipal de Curitiba explicou o que significa a data. “Em maio de 1990, a homossexualidade foi retirada da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

De acordo com Johan, o documento explica e enumera os diversos serviços desenvolvidos pelo município, bem como destaca dados ligados à violência de gênero na capital.

“É uma prestação de contas que fazemos à população”, afirma Johan. O documento foi recebido pelos vereadores Maria Letícia (presidente da Comissão de Saúde, Bem Estar Social e Esporte) e Jairo Marcelino (membro da comissão). “É a primeira vez que um documento como este é entregue à Casa", destacou Maria Letícia.

Luz própria
Em homenagem do dia de combate à homofobia, a estufa do Jardim Botânico será iluminada nesta quinta-feira (17/5) com luzes especiais.

Serviços
Johan destaca que a assessoria foi implementada no ano passado a fim de trabalhar políticas públicas que ajudem a combater o preconceito causado por orientação sexual e identidade de gênero.

O trabalho da assessoria abrange seis eixos: assistência social, saúde, trabalho, segurança, educação e cultura.

Além de prestar assistência direta às vítimas de preconceito, a assessoria busca disseminar princípios da Constituição Federal que vetam discriminação de qualquer ordem e garantem a todo cidadão e cidadã o respeito à liberdade individual.

O relatório cita uma frase do então secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em prol do respeito: “Qualquer ataque [aos LGBTs] é um ataque aos valores universais que as Nações Unidas juraram defender e sustentar”, disse ele, em 2012.

Casos
De acordo com Johan, a falta de respeito a esses princípios é um problema que precisa ser enfrentado.

Com base em números do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) e da Secretaria de Segurança do Estado do Paraná, foram registrados em Curitiba 101 casos de violência contra homossexuais, bissexuais e outros representantes da comunidade LGBT em 2016 e 2017.

Já o número de casos caracterizados como crimes com indícios de motivação por homofobia, envolvendo agressões físicas ou psicológicas, chegou a 108 no mesmo período.

Denúncias
O seguintes telefones atendem denúncias de preconceito, discriminação ou violação de direitos humanos:

100 – Disque Direitos Humanos
156 – Central de Atendimento da Prefeitura de Curitiba
190 – Polícia Militar
153 – Guarda Municipal

Texto: Agência de Notícias Prefeitura de Curitiba – Edição: Assessoria vereadora Maria Leticia Fagundes.

Notícias relacionadas

Relatório mapeia diversidade sexual na capital
Maria Letícia presidirá Audiência Pública sobre “LGBTfobia”
Vereadora Maria Leticia anuncia parceria da Comissão de Saúde da Câmara e da Alep contra DSTs