Maria Letícia tem projeto dos canudos aprovado em primeiro turno na Câmara

BANDA B

“A ideia é substituir. Fazer o [incentivo ao] desuso do canudo plástico. Existem canudos comestíveis, de bambu, de vidro, de inox e os biodegradáveis”, defendeu, nesta terça-feira (23), Maria Leticia Fagundes (PV). Ela é autora da Política Pública de Incentivo ao Desuso de Canudos e Copos Plásticos Descartáveis, aprovada pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC) em primeira votação unânime.

Maria Leticia argumentou que o desincentivo do consumo desses itens em lanchonetes, bares, comércios ambulantes, food trucks, quiosques, hotéis, motéis e similares é “tentar subverter a lei, no sentido de trazer consciência”. Ao se alinhar à Política Pública de Incentivo ao Desuso de Canudos e Copos Plásticos Descartáveis e atender outras regras de respeito ao meio ambiente, o estabelecimento seria contemplado com o Selo Consciência Coletiva. “Este é um compromisso de cada um de nós [respeito ao meio ambiente].”

No texto original, a parlamentar propunha o fornecimento obrigatório de canudos comestíveis e/ou de papel biodegradável. O estabelecimento infrator poderia ser multado em até R$ 10 mil. Apesar de citar exemplos internacionais e brasileiros de cidades em que a medida foi adotada, a vereadora questionou o caráter meramente punitivo das normas. “Leis que punem não evitam o uso de agrotóxicos. Leis que punem não impediram rompimento de barragens, que têm matado muitas pessoas, que têm destruído também meio ambiente”, reforçou.

Ainda de acordo com a autora do projeto em pauta, são geradas cerca de 13 milhões de toneladas de lixo plástico anualmente no mundo. “Apesar de usarmos o canudinho por apenas 10 minutos, em média, eles demoram mais de 100 anos para se decomporem no mar. De acordo com o Fórum Econômico Mundial de Davos, até o ano de 2050 teremos mais plástico nos oceanos que animais marinhos”, declarou. “Esses números são assustadores. Eles [os canudos e copos] não degradam só o meio ambiente, mas afetam também a saúde das pessoas”, continuou, sobre o potencial cancerígeno de um de seus componentes, o bisfenol A.

“Acredito que este é um passo muito importante”, apoiou Mestre Pop (PSC). “[O meio ambiente] é o futuro dos nossos netos, dos nossos filhos. Tem que conscientizar as pessoas”, avaliou Maria Manfron (PP). “Precisa ser dado o primeiro passo. Pensar no meio ambiente é pensar no bem maior, no futuro da humanidade”, opinou Marcos Vieira (PDT). Bruno Pessuti (PSD) ponderou que os canudos e copos não representam “todo o potencial poluidor”, mas fazem mal a rios e lençóis freáticos, além dos oceanos. “A bituca tem que ser descartada no local correto”, completou, sobre a reciclagem desse resíduo.

 

Notícias » Política

Câmara de Curitiba aprova desincentivo a canudos plásticos

Estabelecimento pode ser contemplado com o Selo Consciência Coletiva

Por CMC em 23 de abril, 2019 as 17h02.

Foto: Divulgação CMC

 

“A ideia é substituir. Fazer o [incentivo ao] desuso do canudo plástico. Existem canudos comestíveis, de bambu, de vidro, de inox e os biodegradáveis”, defendeu, nesta terça-feira (23), Maria Leticia Fagundes (PV). Ela é autora da Política Pública de Incentivo ao Desuso de Canudos e Copos Plásticos Descartáveis, aprovada pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC) em primeira votação unânime.

Maria Leticia argumentou que o desincentivo do consumo desses itens em lanchonetes, bares, comércios ambulantes, food trucks, quiosques, hotéis, motéis e similares é “tentar subverter a lei, no sentido de trazer consciência”. Ao se alinhar à Política Pública de Incentivo ao Desuso de Canudos e Copos Plásticos Descartáveis e atender outras regras de respeito ao meio ambiente, o estabelecimento seria contemplado com o Selo Consciência Coletiva. “Este é um compromisso de cada um de nós [respeito ao meio ambiente].”

No texto original, a parlamentar propunha o fornecimento obrigatório de canudos comestíveis e/ou de papel biodegradável. O estabelecimento infrator poderia ser multado em até R$ 10 mil. Apesar de citar exemplos internacionais e brasileiros de cidades em que a medida foi adotada, a vereadora questionou o caráter meramente punitivo das normas. “Leis que punem não evitam o uso de agrotóxicos. Leis que punem não impediram rompimento de barragens, que têm matado muitas pessoas, que têm destruído também meio ambiente”, reforçou.

Ainda de acordo com a autora do projeto em pauta, são geradas cerca de 13 milhões de toneladas de lixo plástico anualmente no mundo. “Apesar de usarmos o canudinho por apenas 10 minutos, em média, eles demoram mais de 100 anos para se decomporem no mar. De acordo com o Fórum Econômico Mundial de Davos, até o ano de 2050 teremos mais plástico nos oceanos que animais marinhos”, declarou. “Esses números são assustadores. Eles [os canudos e copos] não degradam só o meio ambiente, mas afetam também a saúde das pessoas”, continuou, sobre o potencial cancerígeno de um de seus componentes, o bisfenol A.

“Acredito que este é um passo muito importante”, apoiou Mestre Pop (PSC). “[O meio ambiente] é o futuro dos nossos netos, dos nossos filhos. Tem que conscientizar as pessoas”, avaliou Maria Manfron (PP). “Precisa ser dado o primeiro passo. Pensar no meio ambiente é pensar no bem maior, no futuro da humanidade”, opinou Marcos Vieira (PDT). Bruno Pessuti (PSD) ponderou que os canudos e copos não representam “todo o potencial poluidor”, mas fazem mal a rios e lençóis freáticos, além dos oceanos. “A bituca tem que ser descartada no local correto”, completou, sobre a reciclagem desse resíduo.

A proposta que cria a Política Pública de Incentivo ao Desuso de Canudos e Copos Plásticos Descartáveis volta ao plenário para discussão em segundo turno. Se confirmada, vai à sanção do prefeito, antes de virar lei.

Notícias relacionadas

Maria Leticia propõe política de incentivo ao desuso de canudos e copos plásticos
Maria Letícia tem projeto dos canudos aprovado em primeiro turno na Câmara
Maria Leticia destaca projeto “Selo Consciência Coletiva” em coluna no Jornal do Ônibus