MULHERES SE UNEM CONTRA REFORMA DO SECRETARIADO PROPOSTA PELO PREFEITO

Na manhã desta segunda-feira (17), uma união formada por mulheres de vários segmentos e organizações civis esteve na Câmara Municipal de Curitiba, para reivindicar o adiamento do artigo 24 do projeto do prefeito Rafael Greca, que leva a pasta das mulheres para a Fundação de Ação Social (FAS). 
Na prática, o projeto do prefeito pretende unir várias pastas, com a justificativa de que diminuiria custos. No entanto, para as mulheres presentes, o projeto é mais um retrocesso nas políticas públicas voltadas ao feminino, já que no início desta gestão, a Secretaria Municipal das Mulheres já foi extinta. Hoje, a pasta das mulheres está na Secretaria do Governo Municipal (SGM). 
Para a vereadora Maria Letícia Fagundes (PV), existe por parte do executivo e do legislativo, um desconhecimento do que é fazer desde o início da gestão, que restringe os direitos da mulher, ao assistencialismo. Nossas causas que envolvem combate à violência física e psicológica, educação e empoderamento, ficarão nas mãos da ação social. Não faz sentido”, argumentou.
O público feminino formado por representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), União Brasileira de Mulheres (UBM), Transgrupo, Conselho Municipal de Direitos das Mulheres e Frente Feminista de Curitiba, até conseguiu paralisar o funcionamento do plenário para se reunir com os vereadores em sala separada e propor que a votação fosse adiada. 
No entanto, por 26 votos favoráveis e 8 votos contra, a reforma do secretariado foi aprovada. 
Está marcada para as 16h de hoje, uma reunião entre as vereadoras mulheres de Curitiba, representantes da prefeitura e sociedade civil organizada. 
As vereadoras Maria Letícia e Professora Josete estão propondo uma emenda e colhendo assinaturas para que a pasta dos Direitos Humanos, que envolve as mulheres,permaneça na SGM.

Notícias relacionadas

VITÓRIA DAS MULHERES NA CÂMARA MUNICIPAL
Vereadora Maria Leticia critica falta de políticas públicas para mulheres
Contra o assédio nos bares: a política como instrumento real de mudança