Por que as crianças e adolescentes de Curitiba não estão indo se vacinar?

Crianças e adolescentes não estão indo aos locais de vacinação em Curitiba e isso é muito preocupante. Ainda mais com a volta às aulas e o surto de casos pediátricos registrados na cidade. 

Segundo dados da Prefeitura de Curitiba, já foram convocadas 154 mil crianças, mas apenas 66,2 mil se vacinaram, representando 44% da população infantil. As faltantes, que são 87,8 mil, terão que se vacinar durante o período da repescagem. No último sábado, a expectativa era que 40 mil crianças recebessem a primeira dose, mas só 14 mil foram vacinadas. No final de semana todo, apenas 44% das doses foram aplicadas. 

O Hospital Pequeno Príncipe, maior hospital dedicado exclusivamente ao atendimento pediátrico no Brasil, registrou uma avalanche de casos no último mês.   A cada 100 crianças atendidas com sintomas respiratórios, 43 testaram positivo para Covid-19. 

“O quadro é preocupante, mas ao mesmo tempo era esperado dentro da conjunção de fatores que são aglomerações de Natal, ano novo, férias escolares, mais o fato de as crianças ainda não estarem vacinadas e a circulação da cepa ômicron, que é tão agressiva quanto o sarampo, uma das doenças mais transmissíveis na pediatria”, avalia o diretor técnico do Pequeno Príncipe, o médico infectologista pediátrico Victor Horácio de Souza Costa Junior.

Muitos mitos sobre a vacinação de crianças e adolescentes têm surgido e  prejudicado o avanço da imunização. Essa é a possível justificativa para que os pais, mães e responsáveis não estejam levando seus filhos para vacinar. Circulam na internet e em redes sociais como whatsapp e telegram informações falsas como: atribuir casos de autismo às vacinas, dizer que o imunizante altera o DNA das pessoas e afirmar que as crianças estão sendo usadas como “cobaias” para testes. Casos de miocardite também têm sido atribuídos de maneira falsa à vacina. Todas essas informações falsas já foram desmentidas pelos órgãos responsáveis. As vacinas pediátricas Pfizer/BioNTech foram amplamente estudadas, passaram por todas as fases de estudo e foram aprovadas pela Anvisa. Países como Estados Unidos, Israel e Reino Unido, considerados referência na vacinação, também estão usando o imunizante em crianças. 

Maria Leticia: única vereadora médica da Câmara Municipal, tem atuação forte em defesa da vacina.

Os benefícios da vacina em crianças e adolescentes representam mais do que o direito à saúde. Além de evitar casos graves da doença e mortes, a imunização diminui a transmissão do vírus para pessoas mais velhas, reduz o número de internações nas redes de saúde, liberando o atendimento de outras doenças e permite que as crianças voltem para a escola e possam brincar, interagir e se desenvolver com segurança. 

Os dados oficiais já mostraram que as vacinas são seguras e eficientes. Mães, pais e responsáveis cuidem das crianças, vacina é vida. 

Notícias relacionadas

Maria Leticia debate em plenário da Câmara situação caótica no atendimento pediátrico nas UPAs de Curitiba
Maria Leticia participa de anúncio de investimentos para Erastinho
Programa Dedica dos Amigos do HC é apresentado na Câmara Municipal de Curitiba