Praça 19 de Dezembro tem intervenção urbana pela dignidade menstrual em Curitiba

Ato promoveu o debate sobre políticas públicas de combate à pobreza menstrual em Curitiba. Segundo a ONU, 1 em cada 4 meninas falta à escola por não ter absorvente.

A Praça 19 de Dezembro foi palco de um ato pela dignidade menstrual em Curitiba. A manifestação, reuniu coletivos como o Igualdade Menstrual, e entidades como a OAB-PR e o NUDEM – Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública do PR, e foi promovida pela vereadora e Procuradora da Mulher da Câmara Municipal, Maria Leticia.

Além de distribuição de cartilhas e adesivos sobre a pobreza menstrual, o evento teve a realização de uma intervenção urbana gigante. “Preparamos uma ação impactante para surpreender quem passou pelo lugar conhecido como a Praça do Homem Nu. Chamamos a atenção para a estátua da Mulher Nua, que amanheceu menstruada”, comentou a vereadora. O objetivo é promover o debate sobre a importância de políticas públicas que combatam a pobreza menstrual na cidade.

Intervenção urbana atraiu a atenção de quem passou pela Praça 19 de Dezembro, em Curitiba (Foto: Raíssa Domingues)

Um problema para além da saúde pública
A falta de informação sobre o ciclo menstrual e a falta de absorventes e de infraestrutura básica como banheiro e água encanada têm impactos profundos na vida de quem menstrua. 

Cartilhas elaboradas pela médica e vereadora Maria Leticia falam sobre a importância do combate à pobreza menstrual (Foto: Raíssa Domingues)

Além da evasão escolar, com meninas faltando até um bimestre por ano por não terem absorvente (segundo relatório da ONU), a pobreza menstrual impacta na saúde, pois o uso indevido de paninhos, miolo de pão, jornal e outros materiais para conter o fluxo menstrual causa infecções como a candidíase. Segundo estudo da Johnson & Johnson Consumer Health & Instituto Kyra e Mosaiclab 2021, nos últimos 12 meses, 28% das mulheres relataram casos de infecção urinária ou cistite, 24% de candidíase e 11% tiveram infecção vaginal por fungo. “Como médica, sei que a atuação preventiva é sempre mais econômica. Para quem questiona o custo do absorvente para o Estado, eu pergunto: e quanto ao impacto financeiro dessas doenças no sistema público de saúde?”, reflete a médica e vereadora.

Curitiba pode dar exemplo

A ação na Praça 19 de Dezembro antecede a votação do PL nº 005.00063.2021, que institui em Curitiba a Campanha de Conscientização do Ciclo Menstrual. O projeto, de autoria da vereadora Maria Leticia (PV), tem votação marcada no plenário da Câmara Municipal para 08/03, Dia Internacional da Mulher. “Outras cidades no Paraná já possuem leis de combate à pobreza menstrual, mas nenhuma com atuação voltada para a rede pública de ensino e, nesse sentido, é uma proposta inovadora”, explica Adriana Bukowski, co-fundadora do Coletivo Igualdade Menstrual.O Projeto de Lei estabelece a realização de atividades educativas para estudantes, pais, mães, professores e equipes pedagógicas, além da distribuição gratuita de absorventes e itens de higiene menstrual nas escolas públicas da Capital.

Na mídia:

  Intervenção na Praça 19 de Dezembro
  chama a atenção para a importância dos cuidados com
  o ciclo menstrual

  (Plural)

  Praça 19 de Dezembro terá ato pela dignidade
  menstrual nesta segunda (7)

  (Aroldo Murá)

  Praça 19 de Dezembro, em Curitiba, terá ato
  pela dignidade menstrual na próxima segunda

  (Bem Paraná)

  Manifestação sobre a pobreza menstrual marca
  manhã na Praça 19 de Dezembro, nesta segunda-feira (07)

  (Band News)

  Evento “Em Defesa da Dignidade Menstrual”
  será realizado dia 7

  (Jornal da Manhã)

Notícias relacionadas

Projeto de Lei que combate à pobreza menstrual é aprovado em Curitiba
Sancionada lei que indica distribuição gratuita de absorventes nas escolas públicas de Curitiba
Derrubada de veto presidencial, decreto federal e política pública aprovada em Curitiba: como a Semana da Mulher reuniu avanços contra a pobreza menstrual no Brasil