Projeto anticanudos, de Maria Leticia, é destaque na Gazeta do Povo

Gazeta do Povo

"O revés com a proibição do uso dos canudos plásticos no Rio de Janeiro mudou a roupagem de um projeto de lei com iniciativa semelhante em Curitiba. Com a aprovação de um substitutivo, a proposta que tramita na Câmara Municipal retira a possibilidade de multa e estabelece a distribuição de um “Selo de Consciência Coletiva” para bares, restaurantes e lanchonetes da capital que incentivarem o desuso de canudos e copos recicláveis tradicionais. A lógica é a mesma de um projeto de lei estadual prestes a chegar à Assembleia Legislativa (Alep) e que, além da criação de um selo pró-meio-ambiente, autoriza a discussão de incentivos fiscais e outros benefícios a comerciantes engajados em práticas contra o lixo plástico.

A nova versão discutida em Curitiba foi desenhada pela própria autora do projeto, a vereadora Maria Letícia (PV), após a configuração de um curioso cenário no Rio de Janeiro. Primeira metrópole do Brasil a adotar um movimento mundial contra os canudos, a capital fluminense viu o consumo de copos descartáveis disparar depois que a norma que bane os canudos entrou em vigor, em julho do ano passado."

"“O que a gente imaginou a partir desse exemplo é que, ao invés de punir, vamos fazer as pessoas se engajarem na causa. Então, a nossa proposta é incentivar esses bares e restaurantes a, espontaneamente, aderirem ao não uso dos canudinhos e copos plásticos. E eles serão premiados à medida e que eles forem abrindo mão”, explicou a vereadora.

O substitutivo já foi aprovado e a expectativa é de que a nova proposta seja avaliada em plenário nas próximas semanas. “Nós percebemos que com certeza isso é muito mais educativo do que a gente ficar ameaçando com punição. Tem que fazer uma mudança política porque a gente tem visto que com pressão e violência não se resolve nada”, justificou a parlamentar.

Lei no Paraná
Pesadelo número 1 do meio-ambiente, ainda que em contexto de controvérsias, os canudos entraram em uma tendência de extinção praticamente irreversível. Fora do Brasil, redes como a Starbucks e McDonald’s anunciaram políticas para minar o uso do item em suas lojas, em uma postura seguida meses depois pela União Europeia. Em outubro do ano passado, os Estados-membros do bloco anunciaram o fim completo destes pequenos utensílios até 2021, sobretudo, para barrar o aumento da poluição oceânica."

 

"No Brasil, além do Rio de Janeiro, capitais como Vitória e Porto Alegre já abraçaram a causa. E o Paraná poderá ser outro estado a ter em breve a sua própria legislação anti-canudos e copos plásticos.

Proposta do deputado Requião Filho (MDB) que deve ser protocolada na próxima semana na Alep também estipula uma espécie de reconhecimento a bares, restaurantes e lanchonetes que estimularem o uso de canudos e copos confeccionados a partir de substâncias menos nocivas, como materiais comestíveis, biodegradáveis, reutilizáveis ou permanentes.

“A gente tem que pensar na realidade. Qual foi a vantagem que o projeto de proibir teve no Rio de Janeiro? Vantagem ecológica nenhuma. Aqui, vamos buscar, em vez disso de proibir e criar multas, incentivar quem use menos. E que eles vejam que é possível ter vantagens com isso”, declarou o deputado.

O texto do projeto indica a criação do selo “Empresa Consciente Meio Ambiente Equilibrado”, que, como em Curitiba, só seria conferido a estabelecimentos que adotassem medidas de redução do lixo plástico. Além disso, a prévia da norma autoriza o governo do estado a discutir medidas de benefício a essas empresas, como preferência na contratação para eventos públicos e incentivos fiscais estaduais, por exemplo.

“Eu acredito que é possível sim a gente chegar a um denominador comum [sobre os benefícios], mas tem que entender que o projeto faz é dar uma autorização para o governo discutir isso. Depende do governo querer fazer ou não”, ponderou Requião Filho.

Comércio animado
Ao contrário da primeira versão do projeto sobre o uso de canudos em Curitiba, que destacava multa de R$ 2 mil reais para empresários que descumprissem a legislação, donos de bares e restaurantes da cidade agora parecem estar mais animados com a variante da proposta.

“Nós sempre nos posicionamos contra esses projetos de lei rasos, sem discussão, que saíam praticamente do control C control V. Está mais do que provado que tem leis, mas não tem fiscalização. Só ver as tragédias que estão acontecendo. Agora fazer a população participar de fato, o empresário se engajar, não tem como não dar errado”, analisa Fábio Aguayo, presidente da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas Paraná (Abrabar-PR), entidade que participou das discussões que deram nova forma ao projeto de lei municipal e também que levaram à concepção de uma proposta na esfera estadual.

E de acordo com Aguayo, a ideia de incentivo a uma reeducação ambiental tanto dos donos dos estabelecimentos como dos clientes pode, num futuro não muito distante, trazer novos nichos de mercado para o estado. “Eu tenho certeza de que se houver incentivo, ele [dono] não vai ficar só no canudo. Vai buscar outros meios e descobrir que dá para atrair uma clientela que até então não era valorizada. Se houver trabalho harmonioso, todo mundo sai ganhando”.

 

 

Notícias relacionadas

Maria Letícia tem projeto dos canudos aprovado em unanimidade na Câmara
Projeto de lei quer banir canudos de plástico em Curitiba
Projeto bane canudos plásticos em Curitiba