Quero falar sobre respeito

Tags:

Direitos Humanos

Na última semana, 4 jovens foram executados no Parolin.

Ninguém vive numa comunidade violenta, porque quer. As condições de vulnerabilidade existem, pois falta investimento em saúde, educação, moradia – direitos básicos do cidadão, perdidos num sistema econômico desigual.

O que eu não admito, como presidente da Comissão de Direitos Humanos, é que menores de idade tenham seus nomes expostos em plenário, de maneira sensacionalista – por quem muito bem sabe fazer esse papel na imprensa – desrespeitando suas famílias, que choram hoje e irão chorar pelo resto de suas vidas, pela saudade que sentem dos seus filhos. O som das balas, ecoa hoje e vai ecoar por muito tempo nos almoços de domingo, na cama vazia, no porta retrato amarelando com o tempo.

Como médica legista, faço parte da Polícia Científica. Falo com propriedade: quanto mais eu trabalho com violência, menos eu compreendo este prazer mórbido que as pessoas têm em culpabilizar, sem efetivamente ter havido qualquer comprovação.

O limite é o desrespeito. É muito fácil prejulgar, quando se está numa situação de poder, como nós estamos aqui na Câmara Municipal. Por isso faço um apelo: saiam da porta dos seus estúdios televisivos e dos portões dos seus condomínios, saiam dos seus gabinetes e olhem ao redor – a vida destas pessoas importa.

Sessão Plenária – 2 de outubro

Notícias relacionadas

Vereadora Maria Leticia participa de Seminário de Direitos Humanos no MPPR
Maria Letícia aborda em audiência pública políticas públicas para pessoas em situação de rua
Maria Leticia destaca Direitos Humanos e Solidariedade na coluna Jornal do Ônibus