Vereadora Maria Leticia orienta funcionários do ICS sobre violência doméstica

Profissionais da saúde que compõem o quadro de funcionários do Instituto Curitiba de Saúde assistiram a palestra da vereadora Maria Leticia Fagundes sobre violência doméstica, nesta terça-feira (05). A parlamentar é médica legista do Instituto Médico Legal do Paraná IML-PR e presidente da Comissão de Saúde, Bem Estar Social e Esporte da Câmara Municipal de Curitiba. Ela foi recebida pela presidente do ICS, Dora Pizzatto, e relatou um pouco da experiência como médica no atendimento das vítimas de violência.

“Muitas vezes a pessoa tem vergonha de falar sobre a violência sofrida e como agentes de saúde, os profissionais do ICS têm que saber identificar a violência, e juntos encontrarmos saída”, disse a presidente ao saudar a vereadora.

Maria Leticia apresentou o conceito de lesão corporal, que é a alteração física no corpo da vítima, a qual resulta da violência. Nesse sentido, ela acrescentou que na positivação do diagnóstico como médica legista precisa obedecer o artigo 129 do Código Penal, no qual a violência psicológica e patrimonial não se enquadram.

Dessa forma, a vereadora destacou a Lei Maria da Penha, que foi “um divisor de águas”, protege a vítima de todos os tipos de violência e pune o agressor. "A gente tem que acreditar que, de alguma forma, o sistema público vai agir", disse Maria Leticia ao citar a importância do registro do Boletim de Ocorrência e da realização de exames complementares.

A vereadora apresentou casos atendidos no IML-PR incluindo o grupo das crianças que é “uma grande preocupação”. Ela alertou especialmente a violência sexual sofrida pelas crianças e salientou que na maioria dos casos o agressor é da família ou próximo.

“A criança não vai passear na rua e é abusada, ela fica em casa e o abusador geralmente é alguém da família. Muitas vezes não há penetração, nem material biológico, portanto é mais difícil comprovar o abuso”, acrescentou.

Maria Leticia disse ainda que os profissionais podem denunciar casos suspeitos de crianças ao Conselho Tutelar ou até mesmo encaminhar ao Hospital de Clínicas ou Evangélico (em Curitiba).

A médica também citou casos de estupros coletivos e outros recentes ocorridos no interior de veículos que prestam serviços de passageiros individuais por aplicativos.”Ninguém tem o direito de estuprar e a mulher tem o direito de se vestir e ir ao lugar que quiser”, concluiu.

 

Galeria

Notícias relacionadas

Vereadora Maria Leticia participa de curso sobre violência no ICS
Vereadora Maria Leticia busca esclarecimentos sobre projeto do ICS
Vereadora Maria Leticia fala sobre violência doméstica na Paróquia São José Operário